A Coleção do Rei

A 1 de Setembro de 1896 D. Carlos deu início à primeira de doze Campanhas Oceanográficas realizadas na costa portuguesa (1896-1907). Auxiliado por vários colaboradores, de entre os quais se destaca Albert Girard, o Rei dedica-se sobretudo ao estudo dos peixes marinhos de profundidade, dada a importância económica da indústria piscatória em Portugal.

A intensa actividade oceanográfica passa ainda por campos tão diversos como o estudo das correntes ou da topografia dos fundos marítimos, tendo chegado a identificar a existência de profundos vales submarinos próximo da costa na região do Cabo Espichel.

Inicialmente guardada no Palácio das Necessidades, a coleção reunida pelo Rei com o objectivo de criar um Museu Oceanográfico, foi entregue em Fevereiro de 1910 à Liga Naval Portuguesa depois da morte do monarca.

A hoje designada Coleção Oceanográfica D. Carlos I foi confiada ao Aquário Vasco da Gama pela Liga Naval Portuguesa em 1935 e compreende cerca de 2200 espécimes de vários grupos taxonómicos, vários instrumentos científicos da época e mais de 600 livros, ilustrações e manuscritos da biblioteca científica do Rei Dom Carlos I.