À Procura da Arca Perdida. Comandante Estácio dos Reis (1923-2018)

Esta exposição temporária, que estará patente de 28 de setembro de 2018 a 3 de janeiro de 2019, tem por tema a vida e a obra do Capitão-de-mar-e-guerra António Luciano Estácio dos Reis.

A sua busca incessante do saber e a interrogação da realidade, teve como resultado a produção de uma sólida obra cultural e científica. O Comandante Estácio dos Reis mantinha a expectativa de que, inesperadamente, numa qualquer “arca perdida” pudesse encontrar as respostas que procurava.  Acreditava, pois, na serendipidade, ou seja, no acaso feliz. Porém, os “acasos” na sua obra foram fruto da perseverança, da incessante indagação e da sua sensibilidade.

Se é certo que a carreira militar do Comandante Estácio dos Reis se revela brilhante, onde se contam diversos louvores e condecorações, não é menos certo que a sua atividade como investigador e académico é dominada por uma intensa produção intelectual de reconhecido alcance científico. Os instrumentos matemáticos, com destaque para os náuticos, estiveram no centro dos seus estudos. Porém, as escalas, os aparelhos de medição do tempo, como os relógios ou cronómetros, eram outros interesses deste Comandante, que sonhou ser possível um dia encontrar a velha arca onde Pedro Nunes teria guardado muitos dos seus notáveis trabalhos matemáticos e instrumentos científicos.

Ao Comandante Estácio dos Reis se deve a identificação do nónio, que se encontra no Museu de Ciência de Florença, em Itália, tratando-se do único nónio construído segundo o método de Pedro Nunes no século XVI, adaptado a um quadrante náutico. De relevar é também o seu papel na vinda de dois globos de William Jansz Bleau, de cerca de 1645 e de 1700, que enriqueceram as coleções do Museu de Marinha.  Saliente-se ainda o inventário e levantamentos de instrumentos de navegação, os seus estudos sobre oficinas de construção de instrumentos nos séculos XVIII e XIX, a análise sobre a náutica nos séculos XV a XVIII.

O seu significativo contributo para descobertas importantes do património científico português torna o seu legado um dos mais importantes para a cultura naval e, de uma forma geral, para a Marinha Portuguesa e para Portugal.

A exposição "À Procura da Arca Perdida. Comandante Estácio dos Reis (1923-2018)” encontra-se dividida em dois grandes núcleos, que traduzem o percurso militar e científico deste distinto Oficial de Marinha.


NOTA: O bilhete para visitar o Museu de Marinha contempla, já, a visita à exposição "À Procura da Arca Perdida. Comandante Estácio dos Reis (1923-2018)".


LOCAIS DE VENDAS
Bilhetes à venda na bilheteira do Museu de Marinha e na bilheteira on-line.


HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO
De segunda-feira a domingo, das 10h00 às 17h00 (01OUT-30ABR)
De segunda-feira a domingo, das 10h00 às 18h00 (01MAI-30SET)
A última entrada verifica-se 30 minutos antes da hora de encerramento.