Sala Nova

Criada nos anos 80, e rapidamente apelidada de “Sala Nova” no seio de um espaço museológico com linguagens bem mais antigas, esta sala foi concebida com uma linguagem expositiva característica da sua época.

A sala exibe conchas exóticas, espécimes de aves aquáticas da Coleção do Rei e magníficos exemplares e reproduções de mamíferos marinhos arrojados nas nossas costas.

No entanto, o aspecto mais original da exposição talvez sejam os três grupos ecológicos apresentados sob a forma de diorama: Lobo-marinho, Otárias da África do Sul e Lontras dos Rios.

Os dioramas são representações artísticas tridimensionais de cenas reais da vida natural. A cena de fundo é pintada sob uma tela de fundo curvo e iluminada de forma a criar uma ilusão de profundidade e movimento. A técnica permite apresentar uma cena de grandes dimensões num espaço relativamente reduzido.

Apesar do uso de dioramas ser característico dos finais do século XIX e de vivermos numa época em que as pessoas têm um contacto direto com a natureza viva e se multiplicam as representações do mundo natural em registos tão diversos, existe qualquer coisa de pitoresco na forma como estas representações nos fazem viajar no tempo, dentro da história do próprio museu.